PRF põe sigilo de 100 anos em processos contra agentes acusados de usar gás em viatura

Foto: Reprodução

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) negou acesso a procedimentos administrativos dos agentes envolvidos na morte de Genivaldo de Jesus Santos, de 38 anos, em Umbaúba, Sergipe. A corporação alegou se tratar de “informação pessoal”, o que, na prática, impõe sigilo de 100 anos sobre as informações.

Polícias de ao menos 11 estados são acusadas de usar gás em viatura

Genivaldo foi morto em 25 de maio deste ano em uma espécie de “câmara de gás” improvisada por policiais no porta-malas de uma viatura, após ser abordado por estar sem capacete.

Via Lei de Acesso à Informação (LAI), o Metrópoles solicitou a quantidade, os números dos processos administrativos e acesso à íntegra dos autos já conclusos envolvendo os cinco agentes que assinaram o boletim de ocorrência policial sobre a abordagem. São eles: Clenilson José dos Santos, Paulo Rodolpho Lima Nascimento, Adeilton dos Santos Nunes, William de Barros Noia e Kleber Nascimento Freitas.

Confira a matéria completa no Metrópoles, parceiro do Manaus Alerta

Artigo anteriorEm Parintins, a FVS realiza ação de monitoramento da qualidade de água para o Festival
Próximo artigoPresidente do TCE-AM determina que Prefeitura de Manaquiri suspenda pregões para materiais agrários