ONU alerta sobre escassez global de alimentos: ‘nenhum país estará imune’

foto: ONU/Flickr

O chefe das Nações Unidas disse nesta sexta-feira (24) que o mundo enfrenta uma “catástrofe” por causa da crescente escassez de alimentos em todo o mundo.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, disse que a guerra na Ucrânia aumentou os impactos causados pelas mudanças climáticas, a pandemia de coronavírus e a desigualdade para produzir uma “crise global de fome sem precedentes” que já afeta centenas de milhões de pessoas.

“Existe um risco real”, disse ele em uma mensagem de vídeo para autoridades de dezenas de países ricos e em desenvolvimento reunidos em Berlim. “E 2023 pode ser ainda pior.”

Guterres observou que as colheitas na Ásia, África e Américas serão afetadas à medida que agricultores de todo o mundo lutam para lidar com o aumento dos preços de fertilizantes e energia.

“As questões de acesso a alimentos deste ano podem se tornar a escassez global de alimentos do próximo ano”, disse ele. “Nenhum país estará imune às repercussões sociais e econômicas de tal catástrofe.”

Guterres disse que os negociadores da ONU estão trabalhando em um acordo que permitirá à Ucrânia exportar alimentos, inclusive pelo Mar Negro, e permitir que a Rússia leve alimentos e fertilizantes aos mercados mundiais sem restrições.

Ele também pediu o alívio da dívida dos países pobres para ajudar a manter suas economias à tona e para o setor privado ajudar a estabilizar os mercados globais de alimentos.

A anfitriã da reunião em Berlim, a ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, disse que a alegação de Moscou de que as sanções ocidentais impostas pela invasão da Ucrânia pela Rússia eram culpadas pela escassez de alimentos era “completamente insustentável”.

A Rússia exportou tanto trigo em maio e junho deste ano quanto nos mesmos meses de 2021, disse a Baerbock.

Ela ecoou os comentários de Guterres de que vários fatores estão por trás da crescente crise da fome em todo o mundo.

“Mas foi a guerra de ataque da Rússia contra a Ucrânia que transformou uma onda em um tsunami”, disse Baerbock.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, insistiu que a Rússia não tem desculpa para reter bens vitais dos mercados mundiais.

“As sanções que impomos à Rússia coletivamente e com muitos outros países isentam alimentos, isentam produtos alimentícios, isentam fertilizantes, isentam seguradoras, isentam transportadores”, disse ele.

Com informações da Gazeta Brasil



Artigo anteriorWilson Lima e David Almeida autorizam reforma da Feira da Compensa, do Quarentão e Minishopping
Próximo artigoEm Parintins, PC conta com Delegacia do Turista durante o 55º Festival Folclórico