Clínica no Rio onde diarista fez hidrolipo funcionava sem licença

A Secretaria Municipal de Saúde confirmou à Record TV Rio, nesta quinta-feira (23), que a clínica onde a diarista Maria Jandimar Rodrigues, de 39 anos, morreu após fazer uma hidrolipo não tinha licença sanitária para funcionar. Além disso, o estabelecimento não havia passado por uma inspeção obrigatória da Vigilância Sanitária.

Novas imagens nos corredores e no elevador do prédio onde a clínica funcionava, no 15º andar, mostraram a paciente passando mal, sendo amparada por funcionários em uma cadeira de rodas. Ela morreu no pátio do edifício, na Vila da Penha, zona norte do Rio.

Maria Jandimar havia feito outro procedimento antes da hidrolipo na semana anterior. Em áudio, a diarista diz estar sangrando e pergunta à funcionária: “É normal?”.

O médico colombiano que realizou as duas cirurgias afirma que prestou socorro à vítima. Até ontem (22), dez pessoas foram ouvidas na 27ª DP (Vicente de Carvalho), que investiga o caso. Com informações do R7.